Últimas postagens

Tudo o que eu quiser…

Há pessoas que esquecem a sua infância, há pessoas que se orgulham dela, e infelizmente, há pessoas que a negam com todas as forças, sentem vergonha dos seus ídolos do passado. Eu, por outro lado prefiro reconhecer a sua importância e saber o quanto ela formou quem sou hoje.  Cresci numa época inocente, em que o Didi era um acrobata de circo e o Sérgio Malandro era um príncipe que andava em um cavalo branco. A Xuxa era a rainha dos baixinhos e, mesmo usando decotes, minissaias e botas cano longuíssimo, nos ensinava valores importantes durante o seu programa pela manhã. Hoje em dia é fácil fazer piada com ela, negar a importância de uma mulher que mudou a vida de milhares de pessoas, é “engraçado”, é “descolado” fazer isso. Na verdade, eu acho meio triste.

> Leia mais

Comentários

Música Legal do Dia – Take Five

Música é um negócio foda, não adianta. Cada melodia traz uma emoção diferente, nos causa um impacto específico e acaba nos marcando de alguma forma. Raramente falo sobre o meu pai no blog ou no vlog, porque infelizmente nos afastamos há alguns anos e não temos mais contato direto, porém uma das coisas que mais me orgulho da minha relação com ele na infância, foi ter aprendido a ouvir música boa.

Música boa de verdade.

Quando criança eu ouvia Jazz por influência dele e não fazia a mínima ideia do que se tratava, achava confuso, estranho e meio que me recusava a aceitar aquilo como bom, mas como ouvia todos os dias, acabei me acostumando com o som e com o feeling que aquilo me passava. Me tornei uma amante do estilo e carrego ele para sempre comigo.

Minha música preferida? Take Five

Take Five é uma composição de jazz escrita por Paul Desmond e apresentada pelo The Dave Brubeck Quartet no álbum Time Out, de 1959. Gravada no 30th Street Studios em Nova Iorque em 25 de junho, 1 de julho e 18 de agosto do mesmo ano, a obra é uma das gravações mais famosas do grupo, notória por sua melodia distinta, pelo solo de bateria de Joe Morello e pelo uso inusitado do compasso 5/4, de onde se origina o nome da composição. Embora não tivesse sido a primeira composição de jazz a usar essa métrica, foi a primeira nos Estados Unidos a atingir relevância no grande público, chegando à quinta posição na parada da Billboard.

Então curte aí a versão do George Benson que, na minha humilde opinião, é uma das melhores.

Comentários

O Graffiti em um nível que você nunca viu!


O graffiti já deixou de ser visto como vandalismo ou pichação há tempos, hoje em dia é considerado arte urbana. Isso é lindo! Afinal é um tipo de arte complicado e que merece toda a atenção que está tendo, sempre achei bonito e sempre achei legal, mas confesso que depois que vi este vídeo eu realmente fiquei impressionada com o nível que os caras conseguem chegar. Este é o iNO, que em parceria com o DesignWars produziu este vídeo maravilhoso, que por si só também já é uma obra prima.

Comentários