Literatura

Whole 30 – O dia que me apaixonei por um livro

Há mais ou menos uns 6 meses um livro foi entregue pela editora Sextante na minha casa. Se tratava do Whole 30, um livro com um programa alimentar para emagrecer e ter mais saúde com comida de verdade. Não dei muita importância no momento, segui minha vida e o livro foi parar na estante.

img_8399

Com a virada do ano e a descoberta de um novo amor na minha vida (o Crossfit) achei que seria um bom momento para uma nova reeducação alimentar, pois o Crossfit é uma atividade que exige alto rendimento e nos últimos anos me vi refém do pão e de carboidratos, mesmo que complexos, novamente. Eu decidi que me desafiaria a uma desintoxicação de 15 dias dos pães, carboidratos e grãos, foi então que o Whole30 ficou me olhando lá da estante.

“Será que esse livro pode me ajudar? Vou dar uma lida, vai que né…”

Resolvi lê-lo e foi amor à primeira virada de página.

abrindo-whole30

Eu percebi que estava certa em querer uma desintoxicação, porém 15 dias não seriam o suficiente. Lendo o livro fui convencida que precisava de 30 dias livre de carboidratos, cereais, leguminosas e principalmente açúcar. Decidi me comprometer.

Vou fazer o Whole 30. Serão 30 dias de foco total e desintoxicação.

O livro é tão completo que tem um monte de receitas deliciosas para tornar essa jornada mais gostosa e tem várias páginas de perguntas e respostas para poder me ajudar a seguir em frente.

img_8413

Adorei a linguagem do livro e a forma rígida e direta que ele trata quem se propõe a começar o programa, você se sente desafiado e tem vontade de concluir.

“VOU MOSTRAR PRA ESSE LIVRO QUEM É QUE É FODÃO AQUI! ELE VAI VER!!!”

Hoje estou no dia 2 e por enquanto a empolgação reina aqui, todos os dias no fim do dia virei escrever o que comi e como estou me sentindo com esse desafio, quem vem comigo?

giphy
Comentários

Você acredita em sereias?

Você já deve ter se perguntado se alguma criatura mítica ou fantástica existe de fato ou se essas figuras são fruto da imaginação de algum louco ou artista.

As sereias são seres descritos minuciosamente em relatos, livros e filmes, mas será que elas existem ou existiram em um passado remoto?

Uma das teorias é a Hipótese do Macaco Aquático: ancestrais mais ou menos próximos dos humanos teriam adotado, durante um certo período, um estilo de vida semiaquático na costa africana, seja pela necessidade de buscar alimento na água ou de defender-se de predadores.tumblr_ns4d2s0Mpo1tg0qpoo4_500

De qualquer modo, esse fato pode ter influenciado sua evolução, gerando uma subespécie anfíbia, enquanto outros hominídeos mantiveram uma existência puramente terrestre.

> Leia mais

Comentários

Resenha: Por Lugares Incríveis – Jennifer Niven

2 (1280x853) 1 (1280x853)  E aí, tudo bem? Depois de um tempo sem aparecer, cá estou – eu sempre volto, viu? Recentemente li Por Lugares Incríveis e de tão incrível(quanta criatividade) decidi que esse livro merece ser compartilhado várias e várias vezes. Minha indicação pra vocês hoje é essa e confiem em mim, porque é lindo demais!

Por Lugares Incríveis conta a história de dois adolescentes, Finch e Violet. Violet Markey é aquele esteriótipo de garota perfeita, popular, que tem uma família perfeita e além de tudo é linda. Até que sua irmã morre em um acidente e sua vida passa a ser bem diferente. Já Finch sempre foi considerado a “aberração” na escola, um garoto com uma série de problemas um tanto quanto misteriosos e alguns sumiços repentinos, além de uma família totalmente desestruturada. Até que um dia o destino junta esses dois na Torre do Sino na escola, onde eles pretendiam pular e bom, se matar. Entretanto acabam salvando um ao outro. A partir daí e de um trabalho de geografia, os dois partem em suas andanças – como bem diz Finch.

Lançado pelo selo Seguinte da Companhia das Letras no ano passado, Por Lugares Incríveis tem recebido comentários ótimos por aí e não é pra menos. Já deixo dito aqui: é lindo! Eu sei, eu sei, pode soar meio clichê. Tem um garoto, uma garota daí todo mundo sabe o que acontece. E é claro que é clichê em vários momentos, mas hoje em dia, pouca coisa não é. A questão é que a essência do livro é incrível. Lida com assuntos muito delicados de uma forma simples, além do luto, o amor, a superação e transtornos psicológicos também são mencionados. É claro que você chega ao final da leitura em meio a um turbilhão de emoções. Esse é um daqueles livros que dá vontade de sair marcando tudo – se não fosse considerado um pecado riscar livros haha. Tem cada frase, e por trás dos detalhes sempre se encontra algo muito maior. Apesar de ter INFINITAS diferenças, o livro pra mim foi uma mistura de Cidades de Papel e Quem é você, Alasca?  do John Green. Não por ser parecido, mas pela essência dele mesmo e pelas coisas que ele passa. Contando que Quem é você, Alasca? é um dos meus preferidos, é claro que Por Lugares Incríveis foi um maravilhoso acréscimo às minhas leituras.

4 (1280x853)

Além disso, o livro é narrado tanto por Violet quanto por Finch, que alternam os capítulos. Falando no Finch, ele é um personagem bem complexo, singular. Nem preciso dizer que em poucas páginas ele se tornou um dos meus favoritos. Sem falar nessa capa, que é linda! Falando bem a verdade, o livro é todo lindo! Depois de ler fui procurar um pouco mais sobre a autora, e esse foi o primeiro livro destinado à jovens de Jennifer Niven – ela tá mais do que de parabéns, viu? E tem mais: a adaptação cinematográfica está confirmada!

Definitivamente, um livro essencial. Sucinto, emocionante e bem escrito, Por Lugares Incríveis merece várias estrelinhas. Quem já leu ou quer ler, não esquece de dar uma passadinha aí nos comentários. Até breve =)

Ah, esse post também foi para o meu blog, então clica aqui e acessa lá!

Retirado do livro: “Você me faz te amar. E essa deve ser a maior coisa que meu coração já foi digno de fazer.” (pág. 315)

3 (1280x853)
Comentários

Resenha: Mosquitolândia – David Arnold

    E aí, pessoal! A resenha dessa semana é de Mosquitolândia, um livro super diferente e que merece ser lido! Não esquece de deixar nos comentários o que achou do livro ou se tem vontade de lê-lo. E bora pra resenha!

    Mary Iris Malone, ou apenas Mim, é uma garota de 16 anos que mora com o pai e a madrasta em Mississippi. Com uma personalidade forte, Mim desde o início deixa claro que não está nada bem e é uma personagem um tanto quanto complicada. Após escutar uma conversa entre o pai e a madrasta, Kathy, Mim descobre que sua mãe está doente e então parte(foge, melhor dizendo) para Cleveland, seu antigo lar, atrás de Eve, sua mãe.

    Mosquitolândia é o primeiro livro de David Arnold e a minha única vontade é bater palmas pra esse carinha incrível. Esse livro foi um acaso maravilhoso. Com uma capa fofa e um nome esquisito, achei-o na livraria da Travessa(também conhecida como paraíso) e confesso que nem esperava tanto assim. O livro foi lançado por aqui pela editora Intrínseca! Além de uma diagramação impecável e várias surpresas, Mosquitolândia se tornou um dos meus preferidos.

2 (1024x683) 3 (1024x683)

     A grande maioria dos livros infanto-juvenis se tornam uma coletânea de draminhas e romances e isso me incomoda bastante. Mosquitôlandia vai bem além: trata de problemas familiares,amizades, incertezas, depressão, remédios desnecessários e um tanto de outros “assuntos pesados” – como diz Mim. O livro começa direto e reto, sem muita enrolação, o que me deixou bem empolgada. Ao longo do livro, além da história em si, Mim lista os motivos pelos quais resolveu fugir em forma de cartas, alternando a narrativa de forma incrível. Uma característica do autor é retomar assuntos e detalhes, então é legal prestar bastante atenção para que você consiga conectar a história inteira. Sem falar nas referências a filmes e músicas que são puro amor!

    Mim tornou-se uma das minhas personagens favoritas. Irônica, ativa, corajosa e um tanto quanto desbocada, ou também como diz ela “uma verdadeira Malone” – é impossível não se identificar pelo menos um pouco com ela. Os outros personagens também são muito bem construídos, com destaque especial à Walt e Beck, melhores amigos de Mim durante essa jornada. Walt é, provavelmente, um dos personagens mais queridos que eu consigo me lembrar,o menino com síndrome de Down chega de maneira simples na história, mas se torna mais que essencial.

    Eu acho que já esgotei meus adjetivos quanto a esse livro, mas a verdade é que eu encontrei exatamente o que estava procurando e ainda mais em Mosquitolândia. Dizer que eu recomendo a leitura é pouco. Amei, amei, amei, e principalmente me surpreendi! Quero mais David Arnold na minha estante já! Enfim, o livro é incrível e já falei que o livro é incrível? :p Então, até a próxima resenha. =)

Retirado do livro: “Acho que o que quero dizer é que aprendi a aceitar minha dor como uma amiga, seja lá qual forma ela assumir. Porque sei que é a única coisa que me diferencia da mais miserável das espécies: os genéricos.” (pág.50)

Comentários

Resenha: A Vida na Porta da Geladeira – Alice Kuipers

Olá pessoas! Hoje trago mais uma resenha, dessa vez de um livro super rápido de ler, mas que vale muito a pena. A Vida na Porta da Geladeira é um daqueles livros para se passar o resto do dia refletindo, recomendo muito! Caso já tenha lido me conta o que achou nos comentários.

 Claire, de 15 anos, é filha de pais divorciados e sua mãe é uma médica obstetra que raramente tem algum tempo disponível. Por causa do pouco tempo da mãe, as duas conversam quase que diariamente pela porta da geladeira. Ou seja, entre recados colados à porta. Estes recados vão de coisas simples,como listas de compras, a cobranças casuais, como a presença da mãe.
O livro mostra a relação mãe e filha de uma maneira encantadora e o quanto a falta de tempo para a família pode se tornar prejudicial. É impossível não se sentir íntima das duas ao ler os bilhetes, é quase como se você estivesse invadindo a privacidade delas pela maneira como o livro foi escrito. Gostei bastante da narrativa, no início pensei que ia ser chato e confuso de acompanhar, mas a verdade é que tudo flui muito bem. Tem um pouco mais que 200 páginas, mas da pra ler tranquilamente em poucos dias(ou um mesmo), pois algumas páginas chegam a ter só uma ou duas linhas. O livro é o romance de estreia de Alice Kuipers e estou procurando mais autorias dela, já que curti bastante a escrita!

 De uma proposta inovadora, surgiu um livro fofo,tocante e cheio de lições. Indico muito para quem está procurando algo simples, mas ao mesmo tempo com um bom conteúdo. Já li mais de uma vez e continuo me emocionando com a história.

Comentários

Resenha: A Pirâmide Vermelha – Rick Riordan

Os fãs de mitologia e dos escritos de Rick Riordan sabem o espaço vazio que o fim de Percy Jackson e Os Olimpianos deixou. Mas aí conheci a série de mitologia greco- romana – Os Heróis do Olimpo – , acontece que acabou também. Então,enquanto a série de mitologia nórdica não chega, para tentar preencher esse espaço comecei a ler A Pirâmide Vermelha que faz parte de As Crônicas dos Kane – série do autor que envolve mitologia egípcia. E claro, também porque Rick Riordan é incrível e um dos meus autores preferidos.

Sadie e Carter são irmãos que vivem separados desde a morte da mãe. Carter viaja o mundo com seu pai enquanto Sadie mora com os avós em Londres. Como de costume, Carter e o pai vão até Londres para vê-la. Acontece que após uma explosão no British Museum, eles descobrem que os Deuses Egípcios estão longe de estarem mortos. Na verdade, a explosão desencadeou uma grande aventura em que Sadie e Carter terão que se unir e lidar com o fato de que são mais poderosos do que imaginam.

3 (1024x683)

Como eu disse anteriormente, me interessei por esse livro justamente por sentir falta da série Percy Jackson. Acontece que nunca fui muito ligada à mitologia egípcia, diferentemente da grega, romana e nórdica, as quais eu sou apaixonada. Rick Riordan não me decepcionou, mas também não me surpreendeu. Lá pelo meio a história acaba ficando um pouco entediante e caindo numa “mesmice”. Entretanto, o final é ótimo. Esse livro foi uma grande montanha russa na verdade, têm partes incríveis e partes bem mais ou menos. Uma coisa que eu gostei bastante foi a narração, que é alternada entre a Sadie e o Carter, o que deixou a história mais dinâmica. Depois que engatei a leitura, o livro ficou super divertido, é repleto de humor e aventura. Outro ponto positivo, é que Rick Riordan consegue apresentar a mitologia egípcia de uma forma simples, então até mesmo pra quem não é familiarizado com o assunto vai ser uma boa leitura.

Apesar dos altos e baixos do livro eu recomendo sim. Pra quem curte o gênero ou quer saber um pouco mais sobre mitologia egípcia é uma boa pedida. Estou bastante curiosa com os próximos volumes e assim que ler conto pra vocês o que achei. Mas e aí, já leu A Pirâmide Vermelha? Deixa aí nos comentários o que achou ou se gostaria de ler. Até a próxima! =)

Comentários